José Figueira

Muitas pessoas sentem uma necessidade enorme de ferramentas que lhes permitam falar em público com mais facilidade e maior eficiência nos resultados. Existem no mercado muitos cursos com esse fim. Pela nossa parte, em PNL, falamos de apresentações carismática e íntegras, conquistar toda a audiência indo ao encontro dos diversos estilos de aprendizagem do público e, não só transmitir ensino de caráter cognitivo, mas estar em estado de produzir transformações profundas nos participantes, transformações essas que contribuam para o seu desenvolvimento e que possam ter, se possível, um impacto positivo no mundo exterior.

Sobre a autenticidade

É curioso que a grande maioria das pessoas que faz uma apresentação em público, mesmo que só estejam cinco ou seis pessoas na sala, adota muitas vezes uma postura e tonalidade com as características falsas de um mau ator. Deixam de se comportar como elas mesmas e adquirem comportamentos que as afastam da sua autenticidade.
Quando nos cursos as conduzo a estados em que se sentem totalmente à vontade esquecendo a “apresentação”, partilhando pura e simplesmente o conteúdo, parecem sempre estar em estado de poderem facilmente transmitir a mensagem desejada de forma precisa, natural e até mesmo com algo de carismático.

A exposição pessoal

A causa da teatralidade forçada tem possivelmente muito a ver com diversos fatores. Falar em público é associado inconscientemente com modelos que a pessoa, sem dar por isso, pretende imitar. Faz o que pensa corresponder à imagem do que acha que os outros consideram uma apresentação social correta. Ao adquirir uma postura e tonalidade de “apresentador”, pretende controlar-se e controlar a situação. Ora são precisamente os elementos emocionais incontroláveis da sua história pessoal que acabam por tomar o controlo. A maioria das vezes a pessoa tenta esconder uma autoimagem negativa de si. E tudo isto ocorre a nível inconsciente.
Na verdade é impossível esconder-se. Quanto mais esforços as pessoas fazem para “apresentar” bem, ou causar boa impressão, menos são elas mesmas e, por todos os poros é manifesta a imagem limitada que o apresentador tem de si. E o público, embora não tenha muitas vezes consciência disso, sente o que se passa por detrás da pele do apresentador. E o apresentador também sabe disso. É por isso que muitas vezes ele não sabe onde se há de meter.

A criação do efeito oposto

O que muitas vezes acontece é que a representação interna criada no público é precisamente o contrário do que o apresentador pretende. Às vezes, quanto mais quer parecer seguro, sério, entusiasmar e ser preciso, menos atinge o que deseja, isto porque a linguagem corporal e tonalidade têm 93% de impacto na comunicação.
E os 7% de impacto da linguagem também levam correntemente a efeitos contrários do que se pretende. A maioria das pessoas não tem consciência de que a linguagem é constituída por diversos níveis de mensagens. Por detrás da expressão empregue estão a ser transmitidos pressupostos de que nem o apresentador, na maioria das vezes, se dá conta.

Sobre a formação de trainers de PNL

Conscientes dos fatores que jogam um papel real na comunicação e na formação em particular e devido ao alto grande grau de exigência, os nossos cursos para “trainers training” em PNL têm uma duração de 22 dias, são exclusivos para master practitioners diplomados e tem lugar um exame com um observador externo especializado. Damos atenção às inúmeras técnicas que temos à nossa disposição e concentramo-nos, ao mesmo tempo, nos aspetos pessoais dos candidatos a formadores (trainers) de PNL. Aliás, os processos pessoais ocupam um lugar central em todos os nossos cursos.
As técnicas são absolutamente necessárias para fazer chegar, da forma o mais pura possível, a mensagem que desejamos. Infelizmente podemos também utilizar as ferramentas de falar em público para fortalecer o nosso ego e manipular. Não é raro assistir a apresentações em público em que o apresentador se está a aproveitar do público para dar um show de si mesmo. Ora é precisamente isso que pretendemos evitar.

O característico da PNL nas apresentações

Desde que se aja com seriedade, a PNL como epistemologia e método para aumentar a excelência na comunicação, possui um número enorme de ferramentas que facilitam a vida do apresentador e são muito úteis para o público, não só porque aumentam a possibilidade de compreensão do assunto como criam a disponibilidade e o estado ótimo para uma aprendizagem efetiva e crescimento saudável.
Em qualquer apresentação há que ter em conta a transmissão de mensagens a, pelo menos, dois níveis: a informação que se quer passar a nível consciente e a criação de estados favoráveis à transformação, aprendizagem, captação do assunto a nível inconsciente. São assim empregues ferramentas que têm como fim fazer a ligação entre o assunto e o conteúdo emocional correspondente.
Existe uma preocupação de serviço, entrega e contribuição. Ideal é colocar qualquer assunto na perspetiva da realização de significados de vida, o que aumenta a relevância e interesse da apresentação para toda a gente.

Como chegar a todo o público

Quem está familiarizado com PNL, mesmo que só tenha algumas noções básicas, conhece já algumas ferramentas inestimáveis para comunicar com todo o estilo de pessoas na sala: por exemplo, o emprego de todos os sistemas de representação de modo a chegar aos diversos sistemas de preferência sensorial do público.
Também muito conhecido é o conceito “rapport” que nas apresentações para o grande público exige, para além do mencionado uso das diversas representações sensoriais, uma tradução específica que sincronize com os conhecimentos prévios e modelo do mundo do público em questão.
Um outro exemplo mais sofisticado é a utilização do sistema 4-Mat, uma adaptação muito prática dos estilos de aprendizagem de David Colb, em que a apresentação passa pelas fases de: 1 – motivação, 2 – explicação do assunto, 3 – experimentação e 4 – aplicação prática.

Como facilitar o nosso trabalho

Nem sempre, mesmo as pessoas com bastantes conhecimentos e experiência de PNL, se apercebem do poder das “âncoras” no contexto de falar em público. As âncoras produzem estados imediatos, independentemente das nossas escolhas, porque ocorrem a um nível impercetível para a mente consciente. Assim podem ser utilizados gestos, lugares no palco, tonalidades, palavras específicas para produzir automaticamente efeitos desejados.
Mais um aspeto altamente aprimorado que as pessoas não se lembram de considerar como âncoras, são as posturas e gestos com características universais e que funcionam como arquétipos despertando estados e reações automáticas, conhecidos em PNL como as categorias ou estilos de apresentação de Virgínia Satir, modelada por Bandler e Grinder, os co-autores da PNL.

A linguagem

As duas estruturas de bases que formam o fundamento da PNL são, no campo da expressão verbal, os padrões linguísticos de Satir fundamentados na gramática transformacional de Chomsky e o modelo hipnótico de Milton Erickson. Enquanto um nos permite ajudar a encontrar e transmitir a mensagem com precisão, o outro, pelo seu grau vago de abstração, permite-nos delinear grandes linhas e criar o ambiente propício à absorção da informação a nível mais profundo.
Numa apresentação estamos conscientes de um dos elementos essenciais em PNL, a “segmentação” da informação. Escolhemos, em geral, pelo método dedutivo: começamos pelo geral e criação do quadro (chunking up) e no decorrer estreitamos os conceitos até que se tornem altamente práticos e utilizáveis (chunking down). Isto parece na prática contribuir imenso para a compreensão, vivência e aplicação do assunto.

Carisma

Uma apresentação carismática e ecológica é o resultado não só dos elementos expostos atrás como exemplo, mas do grau energético do apresentador, da sua focalização e visão abrangente e periférica, do emprego de padrões linguísticos específicos, e sobretudo do seu grau de autenticidade e entrega à causa maior do bem do outro e do mundo.
A “energia” flui tanto mais quanto maior for o grau de serviço e entrega pessoal, tal como podemos observar, muitas vezes de forma altamente exagerada, em algumas igrejas.

Apresentar em público para todos

Uma versão mais acessível do trainerstraining, sem fazer qualquer concessão aos nossos princípios, é um curso que apresentamos de forma mais condensada e que é aplicável em qualquer área. Este curso possui os elementos essenciais para uma apresentação sincera e carismática. É dirigido a diretores, gestores, políticos, formadores, professores, chefes de departamentos, todas as pessoas que, profissionalmente, tenham de falar em público.
Neste curso afloramos e praticamos aspetos como a atitude do apresentador, tipos de apresentação e princípios básicos orientadores; os níveis neurológicos de comunicação na apresentação e a sua congruência como condição básica de sucesso; a organização da apresentação com base nos estilos de aprendizagem (4-Mat), o que permite organizar a apresentação de modo a captar todos os tipos de aprendizagem presentes na sala; chunks de informação, padrões linguísticos, dedução e indução, o geral e o detalhe, padrões hipnóticos de linguagem e criação de representações internas no público e a organização do assunto; sanduíche feedback e o seu emprego para evitar resistências e proporcionar uma maior aprendizagem; uso eficiente de metáforas, criação de metáforas isomórficas e emprego eficiente de metáforas cruzadas; apresentação e acompanhamento de exercícios, motivar os participantes para exercícios práticos e as instruções para obter bons resultados; energia, visão periférica e autoimagem, o equilíbrio num corpo centrado, formas de focalização, sensação de segurança e tranquilidade e estado de recursos; voz, respiração, balanço, variação de tonalidade para obter resultados específicos, ressonância e projeção; estilos de apresentação, as categorias de Satir e o seu emprego nas diversas fases da apresentação; lidar com perguntas, entender padrões atrás das perguntas e generalizar a resposta para abranger toda a sala; âncoras de palco e organização do espaço para facilitar a criação automática de estados sensoriais no público. Finalmente é dada atenção a fenómenos psíquicos de transferência e contra transferência: a dinâmica inconsciente da projeção da história pessoal do apresentador no seu público e a projeção imaginária do público no apresentador.

José Figueira

(Este artigo foi, entretanto, revisto e publicado no livro “Descobrir a PNL – um ensaio em redor dos temas da Programação NeuroLinguística e das suas aplicações”, de José Figueira, Edições Smartbook. Mais informação em:  http://pnl-portugal.com/os-meus-livros/.)

Share This